Coluna de Novembro do José Augusto
17/10/2019 22:40 em Novidades

Uma breve conversa sobre progresso moral e intelectual

 

 

 

“Fácil é chegar a um acordo com o ignorante; mas mais fácil ainda com o que sabe distinguir as coisas. Mas aos homens cheios do saber insignificante, ninguém é capaz de convencer.” (W. W. da Matta e Silva, no livro Umbanda de todos nós, 18ª ed., 6° Capítulo, Os sinais riscado).

 

 

 

 

Se extrai de toda obra espírita revelada por Jesus vários conceitos, seguidos de centenas de orientações de toda a ordem, que vieram fazer derrubar o véu da ignorância e auxiliar a caminhada de todos nós humanos e espíritos rumo a perfeição. Naturalmente que num artigo não dá para numerar todas as matérias, mas dá para indicar as duas principais: caridade e progresso moral-intelectual.

 

Hoje falarei rapidamente sobre o progresso moral-intelectual, ficando a caridade para a próxima coluna. É que o avanço moral-intelectual é fundamental para que os vivos e os mortos possam entender o que Pai nos fala e quer de nós, através dos Orixás, preto-velhos, caboclos e exus.

 

É chegado o tempo de se começar a buscar entender as lições e orientações que nos são fornecidas diariamente por meio de doutrina, da intuição, de amigos e diretamente nas sessões. Já vai longe o tempo em que nós humanos não conseguíamos compreender as histórias, as filosofias, os ensinamentos e as simples conversas dos profetas, dos doutrinadores, pastores e do Professor da Galiléia, que precisavam nos falar por meio de parábolas.

 

Este tempo acabou. E ele não vai voltar. Assim como não vai voltar a paciência dos Professores Espirituais com alunos desatentos. Já nos foi possibilitado usar da inteligência para conhecer muitas verdades, de compreender e não errar, para que o caminho do bem seja o escolhido e não do egoísmo (amor pessoal exagerado) e do orgulho (admiração pessoal exagerada). Através da mais simples inteligência, podemos identificar a mais simples e certa moral.

 

E do lado de cá, não sendo nosso Mestre Jesus, Orixás, preto-velhos, caboclos e exus, quem tem mais obrigação de repassar e ensinar moral? Ate nisto a Espiritualidade Superior pensou: os mais inteligentes ensinam os menos inteligentes; os pais ensinam aos filhos; os mais velhos ensinam aos mais jovens, os mais fortes ensinam aos mais fracos, os mais espiritualizados ensinam os menos espiritualizados, e por ai vai o progresso da humanidade e do próprio mundo espiritual, um ajudando o outro.

 

Agora é a nossa vez umbandistas, é a nossa oportunidade! É o que Xangô exige SEM ABRIR QUALQUER EXCEÇÃO. Então avante ao progresso irmãos. Sem paredes.

 

 

 

 

 

 

 

Saravá a todos.
José Augusto da Cunha Meira.

José Augusto é Advogado, médium e doutrinador de Umbanda. Tem sua coluna aqui no site da rádio, e tem participação como comentarista no programa Conversas de Terreiro.

 

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!
Apoios culturais